Blog

Fique informado das notícias do mercado imobiliário

Número de imóveis vendidos na Grande Goiânia aumenta 46% no primeiro semestre de 2018, diz associação

Crescimento está acima da média nacional, que foi de 17 por cento. Além disso, houve um aumento no valor gerado pelo mercado se comparado os primeiros seis meses de 2017 com este ano.


Publicado em 20 Agosto 2018

Compartilhe:    

Número de imóveis vendidos na Grande Goiânia aumenta 46% no primeiro semestre de 2018, diz associação

O número de imóveis vendidos na Grande Goiânia cresceu 46% no primeiro semestre de 2018 em comparação com o mesmo período do ano anterior segundo uma pesquisa divulgada nesta quarta-feira (15) pela Associação de empresas do Mercado Imobiliário (Ademi). O número releva um crescimento acima da média nacional. Além disso, o preço médio dos imóveis se manteve estável. Para a entidade, esse é o melhor momento para se comprar a casa própria.

Os dados divulgados mostraram que o número de unidades vendidas passou de 2.568 nos primeiros seis meses de 2017 para 3.753 este ano. A taxa nacional foi de um aumento de 17%, menos da metade registrada na capital e Aparecida de Goiânia.

“Em Goiânia, o que está liderando são imóveis de R$ 190 mil R$ 400 mil. Um dos motivos desse crescimento é que o agronegócio vem crescendo acima dos outros setores e o estado de Goiás, em especial as regiões ao redor de Goiânia, acabam trazendo essa renda do agronegócio e isso ajuda a acelerar o processo de recuperação de vendas”, explicou Fábio Tadeu Araújo, responsável pela pesquisa.

Além disso, o Valor Global de Vendas (VGV) no primeiro semestre também cresceu. No ano passado, o mercado gerou R$ 598 milhões, enquanto no mesmo período de 2018 o valor passou para R$ 775 milhões.

Segundo o especialista no setor, o preço médio dos imóveis sempre aumentou desde 2014, quando a pesquisa começou a ser feita. Porém, houve uma estabilização do ano passado para cá.

“Isso é algo que acontece na primeira fase de retomada do crescimento de vendas. Porém, na segunda fase, além do aumento de vendas, aumenta-se o valor”, prevê Araújo.

 

Perspectivas

O presidente da Ademi, Roberto Elias, acredita que, assim como o primeiro semestre foi positivo para o setor, o restante do ano será também de crescimento.

“O juro está muito baixo para comprar imóvel, a inflação está boa, então o momento para comprar imóvel é muito bom, está em alta. Com as eleições, a economia do Brasil pode reagir e é a hora do valor do imóvel subir. Então esse é o momento de transição de se fazer bons negócios. Mas é preciso ter o cuidado para não se endividar”, explicou.

O presidente explicou ainda que ainda devem ser lançados até 12 novos empreendimentos até o fim deste ano. Com isso, a expectativa é ter um crescimento de 10% no número de vendas em relação à primeira metade do ano.


Fonte: G1