Blog

Fique informado das notícias do mercado imobiliário

2021 será um bom ano para comprar um imóvel?

O ano de 2020 foi marcado por incertezas mas o mercado imobiliário surpreendeu o mais otimista dos analistas.


Publicado em 06 Fevereiro 2021

Compartilhe:    

2021 será um bom ano para comprar um imóvel?

O ano de 2020 foi marcado por incertezas diante da pandemia do novo coronavírus, mas o mercado imobiliário surpreendeu o mais otimista dos analistas. Com um crescimento de 58% no período, os financiamentos para aquisição e construção de imóveis com recursos da poupança atingiram R$ 124 bilhões, superando o recorde histórico de R$ 112,9 bilhões, de 2014, – período do boom do setor.

Foram financiadas com esses recursos 426,8 mil unidades, uma alta de 43,2% em relação a 2019, segundo dados da Associação Brasileira de Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip).

O avanço foi impulsionado pelo barateamento do crédito para financiamento imobiliário. Com os sucessivos cortes da Selic, a taxa básica de juros, que chegou ao final de 2020 a 2%, os bancos reduziram os juros para financiar imóveis. Além disso, muitas famílias que passaram a trabalhar em teletrabalho devido à pandemia buscaram casas maiores e em cidades menores perto dos grandes centros.

A demanda aquecida resultou em aumento de preços nesse setor em 2020. Segundo o índice FipeZap, que monitora unidades anunciadas para venda em 50 cidades, houve uma alta nominal no ano passado de 3,67%, no primeiro avanço do indicador desde 2016. A variação ainda representa uma perda real, mas ficou mais em linha com a inflação medida pelo IPCA, que fechou 2020 em 4,52%, na comparação com os outros anos.

Para 2021, a tendência é que os preços dos imóveis sigam em alta. E analistas do mercado financeiro também preveem uma elevação da Selic, encerrando o ano em 3,5%, o que pode encarecer o crédito imobiliário.

Esse cenário, no entanto, não deve atrapalhar os planos de quem pretende adquirir um imóvel. Isso porque o comprador ainda encontrará boas condições de crédito e preços atrativos no mercado, segundo especialistas consultados pelo Metrópoles.

Sergio Cano, professor do MBA da Fundação Getulio Vargas (FGV) e especialista em mercado imobiliário, afirma que o preço dos imóveis ainda está depreciado em relação ao boom imobiliário que se encerrou em 2014. Segundo ele, dependendo da cidade, a defasagem chega entre 10% e 30%, considerando a inflação.

“Os preços dos imóveis ainda em 2021 têm uma defasagem em relação ao período do boom. Então, na minha visão, estamos em um momento ideal para a compra de imóvel. Você vai pegar o preço com uma defasagem, com boas taxas de juros para financiamento, além de encontrar uma oferta de crédito grande e com várias modalidades de financiamento”, afirma o especialista.

Compro agora ou depois?

Embora a tendência seja de recuperação de preços em 2021, Bruno Oliva, economista da Fipe e coordenador do FipeZap, avalia que o ritmo de alta não será na mesma velocidade e magnitude vistas há 10 anos. Nesse sentido, diz o economista, o comprador não precisa ter pressa para fechar negócio com receio de um aumento expressivo nos valores dos imóveis.

“É importante dizer que nessa situação em que os preços não sobem tão rapidamente, as pessoas têm tempo para procurar um imóvel que se adeque às suas condições e necessidades. Então, não há motivo para desespero, como a gente já viu em 2010 e 2011 porque os preços subiam rapidamente”, afirma Oliva.

Imobiliária Goiânia, Alugar Imóvel Goiânia, Comprar Imóvel Goiânia, Imóveis em Goiânia, Apartamento em Goiânia, Alugar Apartamento em Goiânia, Comprar Apartamento em Goiânia, Venda de Apartamento em Goiânia


Fonte: ADEMI GO