Blog

Fique informado das notícias do mercado imobiliário

Mercado imobiliário em 2021: melhora da economia deve impulsionar setor

Para 2021, a expectativa é que o setor acompanhe a retomada da economia brasileira.


Publicado em 04 Janeiro 2021

Compartilhe:    

Mercado imobiliário em 2021: melhora da economia deve impulsionar setor

Apesar da crise decorrente da pandemia de coronavírus, o mercado imobiliário brasileiro conseguiu reverter as dificuldades de abril e março, os dois meses mais críticos no país, e retornar a níveis pré-pandemia. Para 2021, a expectativa é que o setor acompanhe a retomada da economia brasileira.

Dados do Sindicato da Indústria da Construção (Sinduscon-SP) apontam que o Produto Interno Bruto (PIB) setorial de 2020 deve registrar queda de 2,5%. Mas, para 2021, a projeção é de alta de 3,8%.

Comparativamente, o PIB brasileiro deve ter queda por volta de 4,40% neste ano e avanço de 3,5% em 2021, segundo as projeções do mercado medidas pelo Boletim Focus.

“Em 2021, teremos o que esperávamos para 2020, porém com um mercado mais maduro e consistente”, avalia o economista Celso Petrucci, vice-presidente de Indústria Imobiliária da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC).

“A percepção dominante é de que o setor chega ao final do ano em posição mais favorável do que estava no final de 2019”, confirma Ana Maria Castelo, coordenadora de Projetos da Construção da FGV IBRE.

Para o presidente da Associação Brasileira das Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc), Luiz Antonio França, as perspectivas são boas, mas ficarão ainda melhores a partir do momento em que a vacinação da população começar. “Quando houver a vacina, o setor de construção será o grande indutor da retomada da economia”, afirma.

Selic baixa explica recuperação do mercado imobiliário

A construção é considerada um dos setores cíclicos da economia brasileira. Isto quer dizer que seu bom desempenho depende de fatores macroeconômicos, como emprego e renda.

“Para adquirir um imóvel, que representa uma dívida de longo prazo, o consumidor precisa de emprego e de crédito, porque ele na maioria das vezes não possui o valor total do imóvel. Mas, tendo emprego, viabiliza um financiamento”, afirma Greco Salvatore Montagna, assessor de mesa de renda variável da EQI Investimentos.

Atualmente, a taxa de desemprego é alta (14,6%). Ainda assim, um fator tem sido bastante positivo para o setor: a taxa básica de juros (Selic) em sua mínima histórica, de 2% ao ano.

Isso possibilita crédito mais barato para quem precisa pegar empréstimo para adquirir um imóvel. E o crédito imobiliário é uma modalidade que agrada aos bancos, porque não traz riscos, já que é totalmente coberto por seguradoras. Logo, a oferta é ampla.

 

Selic deve subir, mas de maneira gradual

De acordo com a sinalização do Banco Central em sua última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), a Selic deve sofrer um aumento em 2021, mas de maneira gradual. Ainda assim, deve permanecer em patamares bastante baixos para os padrões brasileiros.

De acordo com o último Boletim Focus, divulgado dia 14, a expectativa é que a Selic chegue a 3% no máximo até dezembro de 2021. Ou seja, o aumento não deve interferir no cenário favorável à construção.

Fim do auxílio emergencial deve reduzir reformas

Já o setor de reformas deve sentir em parte a retirada do auxílio emergencial, que motivou grande parte dos reparos domésticos ao longo do ano – ficando em casa por conta da pandemia e as orientações de distanciamento social e trabalho e estudo remotos, muitos foram motivados a promover melhorias nas próprias residências.

Pelos cálculos do Sinduscon, enquanto as empresas formais do setor de construção devem crescer em média 4,1%, o segmento de autoconstrução e reformas deve ter alta de 3,5%.

 

2020 viu boom de IPOs de construção e 2021 deve repetir a dose

Com a Selic em seu piso histórico e uma maior entrada de investidores na bolsa de valores, buscando maior rentabilidade do que a oferecida pela renda fixa, muitas incorporadoras viram uma oportunidade para se capitalizar via ofertas iniciais de ações (IPO na sigla em inglês) em 2020. E a tendência deve ser mantida no próximo ano.

De todos os IPOs realizados em 2020, 25% foram de construtoras. Fizeram sua primeira emissão a Mitre Realty (MTRE3), que levantou R$ 1,02 bilhão; a Moura Dubeux (MDNE3), que levantou R$ 1,25 bilhão; e a Lavvi (LAVV3), que captou R$ 1,16 bilhão.

Também Melnick Even (MELK3), com R$ 713,58 milhões; Plano & Plano (PLPL3), com R$ 690 milhões, e Cury Construtora (CURY3), com R$ 977,5 milhões.

Caio Ventura, analista de Fundos Imobiliários da Guide Investimentos, acredita que o setor deve fazer ainda mais IPOs em 2021 e retomar o crescimento que já vinha ensaiando desde 2018. “Apesar da crise, os fundamentos do setor seguem muito fortes”, diz.

 

Mercado imobiliário: perspectivas para os FIIs

Assim como para as empresas listadas do setor de construção, as perspectivas também são de recuperação para os fundos de investimento imobiliário (FIIs), acompanhando a retomada do crescimento da economia.

Em 2020, os FIIs chegaram ao recorde de 1 milhão de correntistas. E a tendência é que os FIIs de galpões logísticos continuem em destaque, graças ao avanço do e-commerce com a pandemia.

Para quem pensa no longo prazo e dispensa dividendos mensais imediatos, os FIIs de shoppings podem ser uma boa opção. Isto porque eles ainda terão um período para a recuperação pós-pandemia.

“Aquele cara que quer dividendo, não pode entrar em fundo de shopping. Porque este FII só vai voltar ao resultado de 2019 em 2022. Houve, sim, uma retomada e ela vai ser mantida, mas é lenta. Não vai retomar na mesma proporção”, alerta André Freitas, sócio-fundador da Hedge Investments.

Os galpões logísticos também devem sentir os efeitos da crise no próximo ano, já que a adoção do home office deve permanecer ainda por um tempo.

Isto porque a vacinação ampla da sociedade contra o coronavírus é um projeto mais a médio e longo prazo, apesar do início do uso emergencial dos imunizantes em diversos países, o que sinaliza que, em breve, possivelmente, a vacinação também tenha início no Brasil ano que vem.

“Pela incerteza causada pela pandemia e pela incapacidade de dizer com assertividade quais serão os impactos reais de médio e longo prazo dos ativos imobiliários comerciais e corporativos, acredito que não haverá um aumento significativo na performance dos Fundos Imobiliários, pelo menos no próximo ano”, pondera Leonardo Belisário, co-fundador da Inco Investimentos.

Imobiliária Goiânia, Alugar Imóvel Goiânia, Comprar Imóvel Goiânia, Imóveis em Goiânia, Apartamento em Goiânia, Alugar Apartamento em Goiânia, Comprar Apartamento em Goiânia, Venda de Apartamento em Goiânia


Fonte: Eu Quero Investir